24 de out de 2007

Poeta Zé Arcanjo de Caruaru, Zona do Mangue, RJ, 1979
Foto: Evandro Teixeira



Quando a escuridão
Invade o tempo de alguns,
A pedra da ausência atravessa os ossos
E a beleza corta uma linha indecifrável
No silêncio: som de poço sem fundo

Mas a minha vida seria um espanto
Se o sol misturasse todas as cores
Nestas imprescindíveis e doces
Ilusões cotidianas.




Poema: Leila Lopes
Foto: Evandro Teixeira

Poema originalmente publicado na Revista Cultural Diversos Afins em homenagem ao fotojornalista Evandro Teixeira.

Escrito por Leila Andrade 12:00 PM

 
11 de out de 2007





Insiste do tempo de chuvas
um longo caminho invisível
de águas por dentro.
Deixa o corpo impossível
de medir o passo.

Do agora cabe ao vento
revelar teus segredos flexíveis
abrindo um céu, novidades,
o sopro misericordioso
de deuses descansados.

Aprenderia destas águas
como ser amargo, pouco e límpido,
quando os destinos persistirem
em danças cruéis e escuras.

Escrito por Leila Andrade 11:35 AM

 
<BODY>