14 de set de 2008

Foto: Leila Andrade

os sons são estes os que nos rondam
impregnados de indecisões
quase maledicentes

uma janela que se abre a qualquer céu
sujeita-se aos vermelhos estonteantes do mundo

nesta terra de ninguém
somos donos dos vazios e, no mergulho
daquele mar, permanecemos repletos de outros sons
habitantes do canto mais profundo
do entardecer nosso de cada dia



Escrito por Leila Andrade 4:00 PM

 
<BODY>